Sharknado

sharknadoDireção: Anthony C. Ferrante
Elenco: Ian Ziering, Tara Reid
Ano: 2013

Produzido pelo canal SyFy e exibido na TV americana em julho deste ano, “Sharknado” obteve uma audiência de milhões de espectadores, alcançando o topo máximo de menções no Twitter. E tudo isso por que é um ótimo filme, certo? Não, muito pelo contrário.

Não sei se cometerei uma injustiça que será corrigida no futuro, mas hoje posso dizer, com toda segurança, que “Sharknado” é o pior filme da história do cinema. O tempo todo do filme, cerca de 1h30min de longa punição, fiquei imaginando ser um filme que um estudante pretensioso do primeiro ano da faculdade entrega como trabalho de graduação, acreditando que os vindouros anos de estudo não lhe serviriam de nada, pois já sabia “de tudo”. Pois é, minha gente, essa é a sensação, pois o filme é ruim, muito ruim.

Não há posicionamento de câmera, tempo (dia ou noite), não há continuação. Há uma série de cenas ripadas de documentários sobre a vida marinha, coladas às cenas feitas em computador (de péssima qualidade) de carros e dos tornados cheios de tubarões. Não há foco nas criaturas e nem nos atores, que se limitam a diálogos curtos, entrecortados por cenas de braços e pernas arrancados, jorrando litros de catchup.

Na pretensa história, uma embarcação consegue atrair milhares de tubarões que seriam adquiridos por alguém (é, não dá pra saber quem); daí, a venda dá errado e vários tornados atingem os tubarões, lançando-os sobre a cidade de Los Angeles, que teve trechos transformados em rios, navegáveis pelos pobres bichinhos perdidos. Junte à história ataques verbais ao governo, à mídia, à ganância, à poluição, etc (ou seja, vários temas abordados com a profundidade de um pires) e um pai tentando proteger a ex-mulher, os filhos adultos e a todos que ele vê pela frente (afinal, só ele “entende” o que está acontecendo, tem munição de sobra e sabe derrotar os temíveis tubarões).

Afe!!! Que venha a continuação, agora ambientada em Nova York e os filmes inspirados neste, como “Ghost Shark”. Leia matéria em: http://www.adorocinema.com/noticias/filmes/noticia-103525/

Não vale a pipoca… e é impossível dar nota. Afinal, é um filme de chorar…. de rir!

Patrícia Quintas
11/08/2013

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Filmes e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s